Fecomércio-PE

Fecomércio-PE

Segs inicia ciclo de palestras 2014 abordando a formação de líderes gerenciais

O programa de Sistema de  Excelência em Gestão Sindical (Segs), criado pelo  Sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio (Sicomércio) e pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), dará início ao ciclo de palestras 2014 abordando o tema “A Formação de Líderes Gerenciais”. O encontro, que ocorrerá na próxima terça-feira (15/04), das 9h às 17h, no auditório Paulo Freire, no Sesc Santo Amaro, será ministrado pelo assessor da CNC Anderson Boher.

 

A intenção da capacitação, voltada para presidentes e avaliadores do Segs de entidades ligadas à Fecomércio-PE, é preparar os lideres para assumir mudanças e desafios no gerenciamento dos sindicatos. O objetivo do Segs é permitir às entidades sindicais identificar o grau de desenvolvimento (maturidade) da sua gestão nos quesitos associativismo, representatividade, estrutura diretiva, gestão financeira e produtos e serviços oferecidos. Além disso, o programa visa capacitar seus líderes em práticas gerenciais de reconhecida excelência, que possibilitem incrementar a atuação dos sindicatos e das Federações do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Vendas no varejo em fevereiro apresentam alta de 7,5% em relação ao ano passado

O Instituto Fecomércio realizou pesquisa sobre comportamento do varejo no mês de fevereiro. No conjunto da economia brasileira, as vendas no varejo apresentaram queda de 0,5% no mês de fevereiro em relação a janeiro de 2014, segundo estimativas do índice de atividade do comércio, elaborado pela Serasa-Experian. Para esse resultado, foram determinantes a diminuição no ritmo das vendas de materiais de construção, supermercados/hipermercados e tecidos/vestuários/calçados.

 

Os resultados da conjuntura dos últimos dois meses estão longe de indicar uma tendência pessimista para a economia brasileira. Na verdade, outros indicadores de corte conjuntural mostram que o início de 2014 apresentou um ritmo de atividade econômica superior ao mesmo período de 2013, considerando variáveis como a renda, o emprego, a produção industrial – muito embora, nesta última, a produção de veículos tenha arrefecido o ritmo de crescimento – e aumento na concessão de crédito (combinada com um menor nível de inadimplência). Não por acaso, o índice antecedente de vendas no varejo aponta para uma alta de 7,5% do faturamento, no comparativo entre fevereiro deste ano e fevereiro de 2013.

 

Mesmo assim, a percepção das famílias e de empresários, no que se refere à formação de expectativas para os próximos meses, é conservadora. Os ajustes que vêm sendo realizados do ponto de vista da capacidade de consumo – expressos, por exemplo, na redução na intenção de consumo das famílias – e a queda no índice de confiança da indústria são os principais fatores que influenciam tal percepção.

 

Nesse contexto, o desempenho da RMR se apresentou de forma ligeiramente diferenciada. Embora tenha se verificado um crescimento do rendimento médio das pessoas ocupadas (1,1% em janeiro, no comparativo com dezembro), acima do ritmo de expansão da média das regiões metropolitanas do país (0,2% no mesmo período), é importante salientar que, na RMR, a taxa de desemprego aumentou 5,9% entre dezembro/2013 e janeiro/2014, contra uma elevação de apenas 0,5% no resto das RM's do país.

 

Esses resultados – estreitamente relacionados com o início da desmobilização de importantes obras em SUAPE, como a da Refinaria Abreu e Lima – certamente influenciou a atividade comercial no início de 2014, cujos resultados são apresentados a partir da próxima seção.

 

Em fevereiro/2014, vendas superam em 13,3% resultados do mesmo mês no ano anterior

Em fevereiro de 2014 o desempenho das vendas foi 13,3% melhor que o observado no mesmo período do ano anterior. O que se observa é que, em geral, os resultados do varejo na RMR foram bastante positivos, à exceção das Farmácias e Perfumarias. Esse comportamento pode ser explicado, em parte, pelo crescimento da renda real das pessoas ocupadas ao longo do ano e, além disso, pelo fato de fevereiro de 2014 ter tido um maior número de dias úteis em relação ao mesmo mês do ano anterior (quando foi realizado o carnaval). Destacam-se, no comparativo anual, o faturamento do Comércio Automotivo e o de Bens de Consumo Semiduráveis, com melhor desempenho para as lojas de Utilidades Domésticas, salientando-se também as vendas de Móveis e Decorações e Informática, Materiais de Construção, Calçados e Combustíveis.

Observando-se o resultado das vendas do primeiro bimestre de 2014, nota-se que houve crescimento acumulado das vendas no varejo acima do ocorrido no mesmo período do ano anterior (8,6% contra 4,2%). No que diz respeito à massa salarial, nota-se que o nível dos salários caiu 0,5% entre o primeiro e segundo mês do ano, com destaque para as Concessionárias de Veículos e lojas de Informática e para lojas de Utilidades Domésticas (em menor intensidade). No comparativo dos últimos doze meses, os salários apresentam comportamento positivo, apontando crescimento de 5,9%, com destaque para os estabelecimentos calçadistas, de Autopeças e Acessórios e para as lojas de Utilidades Domésticas. Em sentido contrário, verifica-se redução considerável no nível de salários dos ramos de Cine-Foto-Som e Óticas e de Informática, comportamento que reflete o fraco desempenho desses estabelecimentos ao longo do ano de 2013.

 

Em relação ao emprego, nota-se que em fevereiro de 2014, comparativamente ao mês anterior, o número de postos de trabalho do comércio varejista caiu 1,7%. Observa-se que a redução foi mais acentuada nos Bens de Consumo Duráveis, mais especificamente nas lojas de Calçados e Informática. Vale ressaltar também reduções no nível de emprego nas Livrarias e Papelarias, Concessionárias de Veículos e Vestuário/Tecidos.

 

 

Forme capacita mulheres do programa Mãe Coruja em Ipojuca

O Instituto Fecomércio-PE, em parceria com o Sebrae e a Secretaria de Juventude de Ipojuca, promoverá o primeiro programa Forme para mulheres atendidas pelo programa Mãe Coruja. A ação, que terá início no próximo dia 14, tem como objetivo contribuir com as políticas e estratégia do município no enfrentamento das desigualdades sociais, pretendendo ampliar a capacidade de geração de renda entre as participantes do Mãe Coruja promovido na cidade, com ênfase no desenvolvimento de características e comportamentos empreendedores, potencializando as atividades produtivas realizadas pelas mulheres.

 

As participantes receberão capacitações em boas práticas de gestão, plano de negócios, assosciativismo, cooperativismo, além de terem a oportunidade de obter informações sobre o acesso aos serviços financeiros, de microfinanças e perspectivas de mercado. “O Forme Mãe Coruja deverá contribuir na geração de pequenos negócios economicamente competitivo, socialmente justo e ambientalmente sustentável, a partir do desenvolvimento das características e comportamentos empreendedores do público-alvo do programa, visando potencializar suas atividades produtivas”, disse a assessora técnica do Instituto Fecomércio-PE, Brena Paes Barreto.

 

O objetivo do Forme Empresarial é capacitar a partir do desenvolvimento de comportamentos, atitudes e práticas empreendedoras, visando a formação de profissionais  qualificados para o mercado. Além disso, incentiva o aluno a ter uma visão estratégica, ajuda na identificação de oportunidades de negócios e colobora para a formação do empreendedor, trabalhando sua autoestima, características de liderança, entre outros aspectos. Criado em 2007, o Programa Mãe Coruja Pernambucana está presente em 103 municípios do Estado. Visando garantir uma boa gestação e um bom período posterior ao parto às mulheres, e às crianças o direito a um nascimento e desenvolvimento saudável, ação busca reduzir a morbi-mortalidade materna e infantil, assim como estimular o fortalecimento dos vínculos afetivos entre mãe, filho e família.



Forme Empresarial capacita jovens no Recife e em Ipojuca

O Instituto Fecomércio-PE inicia, nesta segunda-feira (31/03), mais três ciclos de capacitações do programa Forme Empresarial, um no Instituto João Carlos Paes Mendonça (IJCPM), no Recife, e dois na cidade de Ipojuca, na Mata Norte. O objetivo do Forme Empresarial é capacitar a partir do desenvolvimento de comportamentos, atitudes e práticas empreendedoras, visando a formação de profissionais  qualificados para o mercado. Além disso, incentiva o aluno a ter uma visão estratégica, ajuda na identificação de oportunidades de negócios e colobora para a formação do empreendedor, trabalhando sua autoestima, características de liderança, entre outros aspectos. As aulas seguem até o dia 26 de abril.

Deputados discutem a agenda legislativa da Indústria, Comércio e Serviços

 

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, reuniu um grupo de deputados federais para tratar da agenda legislativa da indústria. Participaram da reunião que tratou de interesses do setor produtivo, o vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio, de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Laércio Oliveira, o presidente da Comissão Especial do Código Comercial, Arthur Maia e os presidentes das Comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Finanças e Tributação (CFT), Vicente Cândido e Mário Feitosa. Em seguida, Laércio Oliveira convidou o grupo de parlamentares para tratar do mesmo assunto na CNC, com o vice-presidente financeiro Gill Siuffo.

 

Essa semana foi lançada Agenda Legislativa da Indústria 2014, com foco em 134 projetos que tramitam no Congresso. Na reunião, os deputados levantaram uma pauta objetiva para deliberar sobre o que é mais produtivo e mais imediato para o Brasil. “Precisamos destravar a pauta da Câmara e priorizar uma agenda positiva para o desenvolvimento do país”, disse Robson Andrade. Segundo a CNI, existem na pauta várias matérias capazes de “reduzir a burocracia”, “simplificar os tributos” e “estimular os investimentos”. “Dar incentivos à indústria, ao comércio e ao setor de serviços é defender a geração de mais emprego e renda”, disse Laércio.

 

Outros temas discutidos nas duas reuniões foram a importância da regulamentação da terceirização e a flexibilização das relações de trabalho para as pessoas não migrarem para a informalidade. “O custo Brasil é muito alto. Está ficando cada vez mais difícil competir com o mercado internacional. E o resultado disso é a invasão dos produtos chineses”, informou Robson Andrade.

 

O presidente da CFT sugeriu que seja realizado um seminário com uma ampla discussão sobre o assunto para que haja mais diálogo entre o setor produtivo e o governo

 

 

Fonte: Frente Parlamentar Mista em Defesa do Setor de Serviços 

CNC divulga resultados de março do Índice de Confiança do Empresário do Comércio

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgará nesta terça-feira, dia 1º de abril de 2014, os resultados de março do Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec). A partir das 10 horas de amanhã, o economista Fabio Bentes atenderá os jornalistas pelo telefone (21) 3804-9264. Análises e gráficos serão enviados por e-mail aos jornalistas, e a pesquisa também estará disponível em www.cnc.org.br.

 

Sobre o Icec

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) é indicador antecedente, apurado exclusivamente entre os tomadores de decisão das empresas do varejo, cujo objetivo é detectar as tendências das ações do setor do ponto de vista do empresário. A amostra é composta por aproximadamente 6 mil empresas situadas em todas as capitais do País, e os subíndices, apurados mensalmente, apresentam dispersões que variam de zero a duzentos pontos. O Icec avalia as condições atuais, as expectativas e as intenções de investimento dos empresários do comércio. A partir de fevereiro de 2014, as séries mensais do Icec passam a contar com ajuste sazonal.  

 

 

Convite da mobilização pelo novo Simples Nacional

SO_RMR_dmaes_13-1

Programa Ecos de Sustentabilidade é apresentado aos multiplicadores do Segs

SO_RMR_dmaes_13-1SO_RMR_dmaes_13-1

 

O programa Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs) da Fecomércio-PE, criado pelo  Sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio (Sicomercio) e pela  Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), iniciou as atividades de 2014 abordando o tema Sustentabilidade.  Durante a manhã desta segunda-feira (24/3),  no auditório Paulo Freire, no Sesc Santo Amaro, representantes dos sindicatos ligados à entidade tiveram a oportunidade de conhecer as ações do Programa Ecos de Sustentabilidade,  do Sistema CNC-Sesc- Senac, implantados no Sesc Pernambuco.

 

O Ecos – Programa de Sustentabilidade CNC-Sesc-Senac tem como missão planejar, propor, executar e apoiar ações que induzam à prática intersetorial e colaborativa da sustentabilidade nas atividades desenvolvidas nos âmbitos da CNC e dos Departamentos Nacionais e Regionais do Sesc e do Senac, com o objetivo de mitigar os impactos socioambientais e otimizar o uso dos recursos das instituições.  

A diretora da Divisão de Atividades Sociais do Sesc, Sílvia Cavadinha, detalhou as etapas de implantação, os principais desafios e avanços do Sesc Pernambuco nas iniciativas que promovem a sustentabilidade. “Nós passamos por treinamento, todas as nossas atividades são acompanhadas pela CNC. Além disso, temos um calendário de ações, voltadas para a conscientização dos funcionários e mudanças estruturais para atender aos requisitos do Programa Ecos”, disse Sílvia Cavadinha.

 

No período da tarde, os facilitadores do Segs participarão de videoconferência sobre Capacitação EAD. O objetivo do Segs é permitir às entidades sindicais identificar o grau de desenvolvimento (maturidade) da sua gestão nos quesitos associativismo, representatividade, estrutura diretiva, gestão financeira e produtos e serviços oferecidos. Além disso, o programa visa capacitar seus líderes em práticas gerenciais de reconhecida excelência, que possibilitem incrementar a atuação dos sindicatos e das Federações do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

 

Diversas unidades do Sesc Pernambuco desenvolvem trabalhos que reaproveitam materiais que, normalmente, iriam parar nos lixões ou aterros sanitários, como bombonas de plástico, vasilhames de vidro, latas, embalagens de ketchup até sobras de comida. O Sesc Casa Amarela reserva uma área para lavagem e armazenamento de materiais que podem ser reutilizados e reciclados. O resultado foi a linha Ecos que já contém fichários, puffs, sabonetes, bolsas, entre outros produtos, todos feitos com material reciclado.

O Programa Ecos surgiu em 2010, com base no compromisso que as instituições vêm adquirindo a respeito de seus passivos socioambientais, torna-se fundamental a implementação de ações que induzam a mudança de pensamentos, paradigmas, posturas e procedimentos internos, preconizados pelo desenvolvimento economicamente viável, socialmente justo e ecologicamente correto. No Sesc Pernambuco a iniciativa foi implantada em novembro de 2013 e nos próximos meses o programa chegará ao Senac Pernambuco.

 

O programa, direcionado ao público interno das três instituições, consiste em um conjunto de ações planejadas e checadas continuamente, para a mitigação dos impactos relacionados às atividades das instituições, que possam representar riscos ao meio ambiente ou à sociedade.

Segs inicia atividades em 2014 com palestra sobre Sustentabilidade

O programa Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs), criado pelo  Sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio (Sicomercio) e pela  Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), inicia as atividades de 2014 abordando o tema Sustentabilidade. Na próxima segunda-feira (24/3), a diretora da Divisão de Atividades Sociais do Sesc, Sílvia Cavadinha, apresentará aos facilitadores do Segs ligados à Fecomércio-PE a experiência do Ecos,  programa de Sustentabilidade do Sistema CNC-Sesc- Senac, das 9h30 às 12h, no Sesc Santo Amaro.

 

No período da tarde, os facilitadores do Segs participarão de videoconferência sobre Capacitação EAD. O objetivo do Segs é permitir às entidades sindicais identificar o grau de desenvolvimento (maturidade) da sua gestão nos quesitos associativismo, representatividade, estrutura diretiva, gestão financeira e produtos e serviços oferecidos. Além disso, o programa visa capacitar seus líderes em práticas gerenciais de reconhecida excelência, que possibilitem incrementar a atuação dos sindicatos e das Federações do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

 

Certificado digital facilita a declaração do Imposto de Renda

O certificado digital, tecnologia que permite a identificação de pessoas físicas e jurídicas no ambiente digital, é uma assinatura eletrônica que identifica o usuário, de modo semelhante ao reconhecimento de firma, possuindo validade jurídica. A tecnologia assegura o sigilo e a autenticidade das informações e oferece vantagens para o contribuinte tanto na hora de preencher a declaração como na hora de receber a restituição.

 

Quem declara com certificação digital recebe a restituição mais rapidamente. Na hora de declarar, o sistema facilita a verificação das informações sobre as fontes pagadoras. Outra vantagem é receber a declaração previamente preenchida pela própria Receita, o que reduz o risco de cair na malha fina.

Se ocorrer alguma divergência em relação aos dados da Receita e a declaração cair na malha fina, o problema pode ser resolvido no mesmo dia. Isso atende a uma antiga reclamação dos contribuintes, que sempre foram obrigados a aguardar meses ou anos para serem notificados sobre problemas na declaração.

Com o novo sistema, o interessado pode acompanhar o processo da declaração, fazendo correções em tempo real e sem burocracia. Também é possível obter cópias da declaração sempre que necessário e retificar pagamentos ou imprimir comprovantes.

 

Julio Cosentino, vice-presidente da certificadora Certisign, diz que o certificado digital é um facilitador na rotina de pessoas físicas e jurídicas, com inúmeras vantagens, entre elas a possibilidade de assinar digitalmente documentos eletrônicos, sem uso de papel e sem deslocamentos e custos com autenticações.

Declarar com certificado digital é opcional hoje, mas Mariana Pinheiro, presidente da Unidade de Negócios Identidade Digital da Serasa Experian, avalia que ao longo do tempo o sistema se tornará obrigatório. “Hoje, para a declaração de Imposto de Renda, já existe a obrigatoriedade do certificado para declarações com rendimentos acima de R$ 10 milhões”, explica ela.

 

ALTERNATIVAS - O e-CPF pode ser comprado pela internet nos sites das empresas certificadoras. O certificado pode vir em um software para instalação em um computador e ser utilizado apenas nele; ou pode ser adquirido nas mídias cartão ou token. Na opção pelo cartão é preciso adquirir também uma leitora, caso o computador em que será usado não tenha o dispositivo de série. O token dispensa a leitora, porque conecta-se à porta USB do computador.

A vantagem do cartão e do token é que podem ser utilizados em qualquer computador. O token dispensa a leitora, o que facilita o transporte. Após escolher a mídia, o interessado tem de fazer a opção de prazo de validade, que varia de um a três anos. No próximo passo, o interessado escolherá a forma de pagamento (boleto ou cartão).

Terminada essa etapa, será preciso fazer a validação dos documentos. Nesse caso, é preciso comparecer a um dos locais indicados pela empresa, portando a documentação solicitada. Em geral, são solicitados um ou até dois documentos de identidade com menos de cinco anos da emissão, como RG e carteira de habilitação, e comprovante de endereço. Quando o RG tem mais de cinco anos desde a emissão pode ser solicitada também foto 3x4 recente.

O certificado é emitido na hora e pode ser utilizado em 24 horas. As empresas fazem vendas de certificado pela internet ou por telefone. O sistema envolve custos na ordem de R$ 100 por ano.

 

O certificado pode ser emitido pelas seguintes empresas: Serpro; Certisign; Serasa; Imprensa Oficial do Estado; Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais; Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas; Sindicato dos Corretores de Seguros, Empresas Corretoras de Seguros, de Saúde, de Vida, de Capitalização e Previdência Privada no Estado de São Paulo; Notarial; Autoridade Certificadora Brasileira de Registros; Instituto Fenacon; Prodest; Valid; Boa Vista e Digitalsign.

 

Fonte: Jornal do Commercio–PE