Fecomércio-PE

Fecomércio-PE

Palestra aborda a importância do eSocial

contadoresMais de 200 pessoas participaram do 1° Encontro de Contadores, promovido pelo Sistema Fecomércio-PE, na manhã desta quarta-feira (20/08), no auditório do Senac Pernambuco, no Recife. Com tema “eSocial: O que, por que e como - uma abordagem executiva”, a palestra ministrada pelo especialista em Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Roberto Dias Duarte trouxe detalhes do projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação aos seus empregados. Durante o encontro, o Assessor de Programas da CNC, Miguel Nicollet apresentou também os benefícios do certificado digital.

 

 

De acordo com Roberto Dias Duarte, o e-social trará benefícios para empregdos, empresas e para o Governo. “Com esse formato será melhor tanto para quem envia  através da redução da burocracia envolvida , para o Fisco e para os empregados que terá mais transparência nos processos”, explicou. Estima-se que 10 milhões de empregadores serão atingidos por esse projeto, que envolve a Receita Federal, o Ministério do Trabalho, o INSS e a Caixa Econômica Federal e tem como objetivo a consolidação das obrigações acessórias da área trabalhista em uma única entrega.

 

O eSocial reunirá diversas obrigações que hoje em dia são enviadas em momentos e de maneiras diferentes. Está inclusa no projeto resumos para recolhimento de tributos oriundos da relação trabalhista e previdenciária, a entrega de todas as declarações, bem como informações relevantes acerca do contrato de trabalho.

 

Um receio da população é em relação à mudança de normas. No entanto, nada mudará para as legislações tributária e trabalhista já em vigor no Brasil. “A legislação não muda. Quem procede corretamente continuará procedendo da mesma forma, o e-social evitará sim processos fraudulentos e isso é positivo para todos”, destacou.

Serviços têm queda na receita

Segundo dados da PMS, setor de serviços sofre queda de 1,1% em junho e registra menor taxa de crescimento anual desde 2012

 

A receita bruta do setor de serviços caiu 1,1% na passagem de maio para junho, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada hoje (19/08) pelo IBGE. Na comparação com junho de 2013, o crescimento da receita nominal foi de 5,7% – uma desaceleração ante os +6,6% registrados em maio. Segundo o economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) Fabio Bentes, levando-se em conta apenas a base comparativa anual, o aumento da receita em junho foi o menor desde o início da série histórica da PMS iniciada em 2012.

 

   

“Em termos reais, a variação de 9,2% dos serviços apurados pelo IPCA entre junho de 2013 e junho deste ano levou o faturamento real do setor de serviços a registrar a maior queda histórica anual da pesquisa nessa base comparativa (-3,5%)”, afirma Bentes. No acumulado do ano houve retração real de 1,3%.  

   

A queda em junho foi puxada pela receita dos segmentos de transportes e correios (-4,7%), que reverteu a alta registrada em maio (+1,5%). No comparativo anual, os segmentos com as maiores taxas foram os serviços prestados às famílias (+11,1%) e os serviços profissionais, administrativos e complementares (+7,3%), enquanto os serviços variados de manutenção, reparação e apoio à agropecuária (+1,2%) impediram uma alta maior dessa receita.

 

A série histórica da PMS do IBGE foi iniciada em janeiro de 2012 e não conta com deflator específico ou com dados dessazonalizados, em razão do reduzido número de observações. Educação, saúde e serviços financeiros estão fora da pesquisa, mas as atividades pesquisadas pelo IBGE respondem por mais de 1/3 do valor bruto gerado pela economia brasileira. Acesse aqui a análise completa.

Intenção de Consumo das Famílias mantém-se estável após cinco quedas consecutivas A Intenção de Co

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) apresentou, em agosto, leve aumento de 0,2% (120,8 pontos), na comparação com julho e queda de 2,1% em relação a agosto de 2013. O resultado dos últimos dois meses reflete uma estabilidade do índice, após quedas consecutivas desde janeiro deste ano.

 

   

 

No entanto, para a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o elevado custo do crédito e o alto nível de endividamento impactam no desaquecimento da intenção de compras a prazo. A análise do acesso ao crédito apresentou queda de 2,8% na variação mensal, menor nível da série histórica e também queda de 3,9% em relação ao mesmo período do ano passado. “É necessário enfatizar que, apesar dos resultados positivos de julho e agosto, a percepção das famílias ainda não está recuperada”, afirma a assessora da Divisão Econômica da CNC, Juliana Serapio.  

  

 

Componentes que formam a análise sobre mercado de trabalho apresentaram leve elevação, após atingir as mínimas das séries apuradas desde janeiro de 2010. O item

 

Emprego atual registrou elevação de 0,5% em relação ao mês anterior, porém apresentou queda de 2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Já a análise da Perspectiva profissional teve crescimento de 0,8% em relação a julho deste ano e queda de 3,2% em relação a agosto de 2013. A CNC avalia que, embora o desemprego permaneça baixo, existem indícios de enfraquecimento na geração de vagas. “Os maiores ajustes que poderão melhorar essa situação só deverão ocorrer ao longo de 2015”, afirma Serapio.  

  

 

Previsão para o ano – Analisando as condições atuais e as perspectivas futuras da economia doméstica, a CNC revisa novamente para baixo a expectativa do volume de vendas do varejo de 4,5% para cerca de 4% em 2014.

 

 

Acesse a análise completa e os gráficos da ICF

 

CNC divulga na hoje resultados de agosto da ICF

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulga na próxima hoje (18/08), os resultados de agosto da pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF). Não haverá coletiva de imprensa: a partir das 10 horas de segunda-feira, a assessora da Divisão Econômica da CNC Juliana Serapio atenderá os jornalistas pelo telefone (21) 3804-9492. Análise e gráficos serão enviados por e-mail aos jornalistas, e a pesquisa também estará disponível em www.cnc.org.br.

 

 

Sobre a ICF

A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias é um indicador antecedente que tem como objetivo antecipar o potencial das vendas do comércio. O indicador tem capacidade de medir com precisão a avaliação que os consumidores fazem dos aspectos importantes da condição de vida de suas famílias, tais como capacidade de consumo, atual e de curto prazo, nível de renda doméstico, condições de crédito, segurança no emprego e qualidade de consumo, presente e futuro.  

   

 

Sindloja promove Workshop Desenvolvimento de Líderes Journey

O Sindloja, em parceria com o Sebrae e apoio do Senac, vai realizar no dia 25 de setembro, no Caruaru Park Hotel, o Workshop Desenvolvimento de Líderes Journey. O curso tem como objetivo oferecer ferramentas aos líderes para que possam construir um excelente lugar para trabalhar nas empresas.


O workshop é desenvolvido pela Great Place to Work, única empresa global de pesquisa, consultoria e treinamento que estimula as organizações a identificar, criar e manter excelentes ambientes de trabalho por meio do desenvolvimento de culturas de alta confiança. Presente em 49 países, a Great Place to Work já capacitou mais de 6 mil empresas. 

 

A metodologia adotada no curso é trabalhada em duas perspectivas: a do funcionário e a da empresa, sempre tendo como base que a confiança é o fator comum e mais importante para criar um excelente ambiente de trabalho. Por meio de vivências, dinâmicas e exemplos práticos, os participantes vão poder identificar cinco dimensões na perspectiva dos funcionários e nove práticas culturais na perspectiva da liderança. O evento será ministrado pela facilitadora Kelly Bitencourt.

 

Para os sócios do Sindloja, o workshop vai custar R$ 200 e para os não sócios o valor fica de R$ 250. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas através do telefone (81) 3722-4070 ou (81) 3721-6155.



Serviço


Workshop Desenvolvimento de Líderes Journey
Data: 25 de setembro de 2014
Local: Caruaru Park Hotel (às margens da BR-232)
Horário: 14h às 17h
Inscrições: (81) 3722-4070 ou (81) 3721-6155

Crédito e Copa freiam varejo em junho

 

Alta do crédito ao consumidor e menor movimentação durante a Copa levaram o setor a fechar o 1º semestre em queda de 0,8%. CNC revisa expectativa de crescimento em 2014 de 4,4% para 4,0%  

  

Segundo a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) divulgada hoje (14/08) pelo IBGE, o volume de vendas do comércio varejista apresentou variação positiva de 0,8% em relação a junho de 2013, resultado mais fraco desde março (-1,1%) e recuo de 0,7% em relação ao mês de maio. O varejo fechou o primeiro semestre no vermelho, com recuo de 0,8%, o pior resultado desde 2003 (-1,6%). Para a Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a alta taxa de juros cobradas no crédito ao consumidor e a queda no movimento do comércio, em razão da diminuição dos dias úteis durante a Copa do Mundo estão entre as causas desse recuo.

 

  

Pelo terceiro mês consecutivo a inflação perdeu força no varejo (+0,5% sobre maio), com destaque para os recuos de 0,5% no comércio automotivo e nos artigos de informática e comunicação. “Apesar disso, a escalada na taxa de juros cobrada no crédito ao consumidor ao longo de 2014 levou esses segmentos a registrar quedas expressivas nas vendas. Segundo dados do Banco Central do Brasil, a taxa média dos empréstimos e financiamentos às pessoas físicas, de 43,0% ao ano, é a mais alta desde abril de 2009”, afirma o economista da CNC, Fabio Bentes.

 

  

Na comparação entre junho e maio deste ano, os segmentos que tiveram a maior queda, na série livre de influências sazonais, foram o comércio de livros, jornais, revistas e papelaria (-5,3%); equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-4,2%) e combustíveis e lubrificantes (-2,3%). Na mesma base comparativa, o varejo ampliado que agrega os resultados do comércio automotivo (-12,9%) e materiais de construção (-3,9%), acusou retração de -3,6%.

 

  

O resultado fraco do mês de junho levou a CNC a revisar de 4,4% para 4,0% sua previsão de crescimento do volume de vendas em 2014. Acesse a nota completa.

Sistema Fecomércio-PE lamenta morte de Eduardo Campos e membros da sua equipe


eduardoO Sistema Fecomércio/Senac/Sesc lamenta profundamente pela morte trágica do ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência, Eduardo Campos, e de mais seis pesssoas da sua equipe, na última quarta-feira (13/8), vítimas de acidente aéreo, em Santos, São Paulo.

 

Eduardo Campos teve sua trajetória marcada por importantes lutas sociais e deixa um legado de esperança de mudança para todo o País. Todos que fazem o Sistema Fecomércio/Senac/Sesc Pernambuco se solidariza com a dor de todos os familiares das sete vítimas desta tragédia.

 

Em nota de pesar, o presidente da Fecomércio-PE, Josias Albuquerque afirma que "O Brasil está de luto com a perda de um dos seus mais talentosos políticos. Idealista, Eduardo Campos sempre foi um grande líder, exemplo de homem público para as novas gerações.

Como deputado federal, ministro de Estado e governador de Pernambuco, por dois mandatos consecutivos, sempre lutou pelo desenvolvimento do País e, principalmente, do Nordeste do Brasil.



Fórum de Debates em Ipojuca levanta discussão sobre novas oportunidades no setor de serviços

ipojuca

 

Ipojuca, detentora do segundo maior PIB pernambucano, ficando atrás apenas do Recife, vivencia nos últimos dez anos um crescimento muito rápido da sua economia, com a chegada de investimentos instalados no Complexo Industrial e Portuário de Suape. As novas oportunidades de negócios e as políticas públicas para alinhar o crescimento econômico ao desenvolvimento social foram temas centrais do I Fórum Empresarial do Polo de Desenvolvimento do Ipojuca, realizado na última quarta-feira (6/8), no Hotel Armação, em Porto de Galinhas, pela Fecomércio, através do Instituto Fecomércio-PE, em parceria com o SEBRAE/PE e a Secretaria Especial de Juventude e Esportes do Ipojuca.

 

A cidade, que viu sua economia passar dos 4% de representação no PIB de Pernambuco para 10%, carece hoje de qualificação profissional e melhorias em diversos setores como a educação, saúde e oportunidades para jovens, segundo o consultor de Cenários e Gestão Estratégicas, Claudio Marinho.

 

Dados apontam que em 2010, aproximadamente 20% da população de Ipojuca era analfabeta e 32% dos jovens entre 15 e 29 anos nem estavam estudando, nem trabalhando. Em contraponto a esses números, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) cresceu duas vezes mais nos últimos dez anos em relação ao Estado e a Região Metropolitana do Recife (RMR). “Temos que enfrentar estas distorções e qualificar esses jovens para atender a nova demanda de Ipojuca”, afirmou.

 

Segundo o especialista, a grande oportunidade de negócios da região está na oferta de serviços e no comércio, especialmente, nos serviços voltados para a indústria. “A cidade de Ipojuca é rica em recursos naturais, com grande potencial turístico, além da grande demanda das indústrias. Há um vasto campo para o segmento de serviços e é pra esse sentido que os empreendedores devem se voltar”, destacou.

 

Uma mudança sentida também nos últimos anos no perfil econômico da cidade está na atuação da mulher no mercado de trabalho. Segundo dados trazidos pelo palestrante, 38% das mulheres da cidade são as chefes da família. “É preciso pensar também em políticas mais sofisticadas para qualificar essas empreendedoras que estão indo buscar o sustento da família”, explicou.

 

Durante o encontro, o presidente da RedePetro Pernambuco, Otávio Carvalho e o gerente de Marketing da Cone Suape, Geovan Lima ratificaram a importância dos investimentos em serviços na região e na união da classe empresarial em prol da qualificação profissional local. “Os empresários devem cada vez mais se unir para a troca de experiência e entender a importância do associativismo para o fortalecimento do segmento, para com isso criar oportunidades”, afirmou Carvalho.

 

Participaram também do encontro o vice-presidente da Fecomércio-Pe, Bernardo Peixoto, secretários municipais de Ipojuca, empresários e jovens da região.

Expectativa de crescimento das vendas para o Dia dos Pais é de 8%

O Instituto Fecomércio-PE, através  do Centro de Pesquisa (Cepesq), em convênio com o Sebrae-PE, e contando com a consultoria da CeplanMulti realizou entre os dias 18 e 25 de julho Sondagem de Opinião para identificar Expectativas dos Empresários/Gestores e Intenção dos Consumidores de comemorar o Dia dos Pais 2014 e fazer um Balanço do 1º Semestre de 2014. A Sondagem abrangeu o varejo dos municípios mais representativos da Região Metropolitana do Recife: Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Paulista, Cabo de Santo Agostinho, Abreu e Lima, Camaragibe e São Lourenço da Mata. Ao todo, foram realizadas 1.801 entrevistas através de pesquisa direta, sendo 887 junto a consumidores e 914 com empresários/gestores, aplicados em estabelecimentos do Comércio Tradicional, em lojas de Shopping Centers (Shopping Center Recife, Boa Vista, Costa Dourada, Guararapes, Plaza, Tacaruna e Rio Mar) e em estabelecimentos de Serviços de alimentação.

 

Segundo a pesquisa, menos da metade dos empresários da Região Metropolitana do Recife, 48,7%, têm expectativas de que o faturamento no Dia dos Pais em 2014 supere as de 2013. A expectativa dos empresários é de que ocorra um crescimento da ordem de 8% nas vendas do Dia dos Pais de 2014 em relação ao mesmo período de 2013. No Comércio Tradicional, a expectativa de crescimento é de 11,8%, sendo de 7,0% nos Shopping Centers e de 2,5% nos estabelecimentos de Serviços. A sondagem aponta ainda que mais de 90% dos empresários do varejo na RMR não têm intenção de contratar trabalhadores temporários.

 

Em 2014, 63,6% dos consumidores da RMR demonstraram intenção em comemorar o Dia dos Pais, proporção que no ano anterior correspondia a 66,5%. Essa redução foi observada em todas as classes de renda, principalmente na classe C, cujo propósito de festejar o evento em 2014 representou 69,5% das intenções, enquanto que no ano anterior essa proporção foi 7,7 pontos percentuais maior. Entre as razões pelas quais os consumidores na RMR não comemorarão o Dia dos Pais 2014 mencionam-se motivos relacionados a questões de cunho social e econômico. No que diz respeito às razões de cunho econômico para a não-celebração, 15,8% dos entrevistados alegaram que essa decisão se deve ao fato de estarem endividados, proporção mais elevada entre os entrevistados das classes A e B, com 25,0% das respostas, enquanto na classe C correspondeu a 19,0% e nas classes D e E a 12,4%. As pessoas declararam, ainda, estar sem dinheiro (9,3%), parcela mais alta nas classes D e E (10,1%), seguido pela classe C (6,9%), enquanto nas classes A e B essa proporção foi de 5,0%.

 

A forma de comemoração preferida pelos consumidores da RMR no Dia dos Pais em 2014 será a compra de presentes, apontada por 81,7% dos entrevistados. O gasto médio será de R$ 138.

 

 

Balanço das vendas no 1º semestre não é positivo para o Varejo na RMR


Consultados sobre o desempenho das vendas no 1º semestre de 2014, 42,8%dos empresários da RMR, apontaram queda no faturamento, ao passo que 33,5% afirmaram que o movimento nos respectivos estabelecimentos levou a alta em relação ao mesmo período no ano de 2013 e, para 23,7%, os resultados do ano passado foram repetidos em 2014. Entre os fatores que explicam esse cenário estão: queda na geração de empregos formais; estabilização do rendimento médio mensal dos trabalhadores e a defasagem dos salários em relação a outras regiões do país; redução, em todo o país, da Intenção de Consumo das Famílias (ICF/CNC), indicador calculado com base na expectativa de manutenção e emprego dos consumidores; encarecimento do crédito para consumo, que alcançou em junho o maior custo em termos de taxas de juros; realização pontual, mas impactante, de manifestações populares e greves, cujos efeitos, no caso da RMR, foram ressaltados em função de saques e depredações, especialmente quando da paralisação da Polícia Militar; efeitos restritos – e mesmo negativos – sobre as vendas face à realização da Copa do Mundo de futebol em junho, provocados pelo encurtamento do expediente comercial.

 

Expectativa para 2° semestre


Para 70,3% dos empresários consultados, as vendas do 2º semestre de 2014 irão superar o desempenho alcançado no mesmo período do ano anterior.  Os empresários que possuem lojas nos Shopping Centers são os mais otimistas (72,8%), seguidos pelos lojistas do Comércio Tradicional (70,5%) e de Serviços (67,2%). É importante salientar o contraste entre o balanço negativo do 1º semestre e as expectativas favoráveis em relação às vendas na segunda metade do ano, que segundo os empresários da RMR devem crescer 16,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Isso deve, em primeiro lugar, ao fato de as vendas no 2º semestre de 2013 não terem sido positivas na RMR, à exceção de alguns segmentos, como indicou o acompanhamento mensal de conjuntura realizado ao longo de 2013 pela Fecomércio. Também se deve considerar a diferenciação entre o comércio de shopping e de rua, bem como Serviços (alimentação). Entre os lojistas do Comércio Tradicional, registrou-se a maior expectativa relativa de alta nas vendas (20,4%), seguida pelos prestadores de Serviços (14,5%). Por sua vez, os lojistas dos Shopping Centers são mais cautelosos, acreditando que as vendas devam crescer 11,9% neste segundo semestre em relação ao mesmo período do ano passado.

 

 

 

 


 

 

Relator apresentará parecer sobre punição para empresa que não divulgar tributos

A comissão mista que analisa a Medida Provisória 649/14 se reúne nesta terça-feira (5), às 14 horas, para apresentação do relatório do deputado Andre Moura (PSC-SE). A MP adia para 2015 a punição para as empresas que não detalharem, na nota fiscal, os impostos embutidos no preço dos produtos e serviços.

A fiscalização pelos Procons estaduais deveria ter começado no dia 9 de junho, mas a MP enviada pelo governo determina que, até 31 de dezembro, a fiscalização será “exclusivamente orientadora”, sem punições.

A MP altera a Lei da Transparência Fiscal (12.741/12), que instituiu a obrigatoriedade de divulgação dos impostos pagos pelo consumidor.

Esta é a segunda vez que o prazo para aplicação das punições é adiado. A redação original da norma previa que a obrigação de identificar os tributos passaria a ser cobrada no dia 10 de junho do ano passado. Na época, porém, o governo acolheu pedidos de adiamento dos empresários, que queriam mais tempo para colocar a medida em prática.

A reunião será realizada no plenário 2 da ala Nilo Coelho, no Senado.

Íntegra da proposta: