Fecomércio-PE

Fecomércio-PE

Sesc lança Centro de Esportes em Floresta

Solenidade ocorre nesta sexta-feira (18), com a presença do presidente do Sistema Fecomércio/Senac/Sesc-PE, Josias Albuquerque, e da prefeita Rorró Maniçoba

 

O Sesc Pernambuco lança, nesta sexta-feira (18), a pedra fundamental da construção do Centro Esportivo e de Lazer Empresário Arlindo Gomes de Sá, na cidade de Floresta, no Sertão do Pajeú, distante 430 quilômetros do Recife.

A iniciativa é realizada em parceria com a Prefeitura Municipal, que doou um terreno de 25 mil m². A solenidade será realizada às 10h e contará com a presença da prefeita Roró Maniçoba, do presidente do Sistema Fecomércio/Senac/Sesc-PE, Josias Albuquerque, e do diretor regional do Sesc Pernambuco, Antônio Inocêncio Lima, além de outras autoridades políticas de Floresta.

 

O Centro integra o programa Sesc Comunidade, criado pelo Departamento Nacional do Sesc. “Floresta é a primeira cidade de Pernambuco a receber o Projeto Sesc Comunidade. O Centro de Esporte e Lazer tem como patrono a figura histórica do comerciante Arlindo Gomes de Sá. Será um espaço destinado a melhorar as condições de vida das pessoas por meio de práticas poliesportivas”, defende o presidente do Sistema Fecomércio/Senac/Sesc-PE, Josias Albuquerque.

 

O espaço, que recebeu o nome de Empresário Arlindo Gomes de Sá, homenageia o comerciante natural do município que atuou por anos no segmento farmacêutico. No local, serão construídos quadra poliesportiva coberta, ?campo de futebol society?, pista de cooper e ciclovia?. Os equipamentos serão todos adequados para atividades de saúde preventiva e de lazer de crianças, jovens, adultos e com espaço para os idosos.

 

A Lei Municipal da doação do terreno para as obras do Centro de Esportes e Lazer Empresário Arlindo Gomes Sá foi sancionada pela prefeita de Floresta, Roró Maniçoba, no dia 11 de abril de 2012. "A construção tem um valor imensurável e é um enorme privilégio, levando em consideração o tamanho da nossa cidade.  A realização deste sonho florestano significa muito, pois mudará os padrões do nosso esporte. Será um espaço destinado à formação de atletas, ao lazer e à inclusão social. Floresta agradece ao presidente Josias Albuquerque por olhar com carinho para nossa gente, por enxergar o potencial do nosso município e trazer tão arrojado investimento", afirmou a prefeita.

 

Sesc Comunidade – O programa é uma iniciativa do Departamento Nacional do Serviço Social do Comércio (Sesc) e visa democratizar o acesso ao esporte e lazer, promovendo o exercício da cidadania, da solidariedade e da inclusão social. O Sesc Comunidade amplia o acesso e promove qualificação dos indivíduos e organizações comunitárias, proporcionando espaço físico para atividades diferenciadas e integradas, que atendam diferentes interesses, pessoas e faixas etárias. No espaço serão promovidas atividades de esporte e lazer, além de ações socioeducativas e culturais para as comunidades circunvizinhas.

 

Serviço:

Lançamento da pedra fundamental do Centro Esportivo e de Lazer Empresário Arlindo Gomes de Sá

Data: dia 18 (nesta sexta-feira)

Horário: 10h

Endereço: Rua Projetada, Bairro de Três Marias, Floresta, PE.

 

 

 

 

Inflação medida pelo IGP-10 cai para 0,58% em março

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) ficou em 0,58% em março deste ano, taxa inferior às observadas em fevereiro de 2016 (1,55%) e em março de 2015 (0,83%). O IGP-10 acumula 2,84% no ano e 11,78% em 12 meses, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV).
A queda da taxa na passagem de fevereiro para março foi provocada por uma redução no ritmo da inflação no atacado e no varejo. A taxa do Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, recuou de 1,69% em fevereiro para 0,56% em março.

 

Consumidor


O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, registrou uma taxa de 0,61% em março, ante 1,64% de fevereiro.  O Índice Nacional do Custo da Construção, terceiro subíndice que compõe o IGP-10, teve alta no período, já que subiu de 0,37% em fevereiro para 0,6% em março. O IGP-10 é calculado com base em preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

 

Fonte: Agência Brasil

Intenção de consumo tem primeira queda em 2016

Pesquisa da CNC mostra queda de 1,6% em março, a primeira do ano. Componente Nível de Consumo Atual está na mínima histórica, com 53,3 pontos numa escala de 0 a 200


A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), registrou queda de 1,6% em março, na comparação com fevereiro, ficando em 77,5 pontos, numa escala de 0 a 200 – abaixo do nível de indiferença. Na comparação anual, o recuo foi de 29,9%. Todos os componentes do índice registraram queda em ambas as comparações, com destaque para o indicador Nível de Consumo Atual, que atingiu a mínima histórica de 53,3 pontos.

 

“A confiança do consumidor está diretamente ligada à estabilidade do quadro político e econômico. A contração nas vendas do varejo está em linha com o enfraquecimento da confiança observado na ICF”, ressalta Juliana Serapio, assessora Econômica da CNC.

 

Na base de comparação mensal, os dados regionais revelaram que a maior retração ocorreu na região Sul (-4,2%). Já a região Nordeste foi a que apresentou a avaliação menos desfavorável, com queda de 0,6%.

 

Menos Compras


O componente Nível de Consumo Atual registrou o menor valor da série, iniciada em 2010: 53,3 pontos. Em relação a fevereiro, a queda foi de 4,4%, enquanto que, na comparação anual, foi de 38,4%. A maior parte das famílias, 59,2%, declarou estar com o nível de consumo menor que o do ano passado.


Outro item que também apresentou o menor nível da série foi o de Compras a Prazo, com 73,2 pontos – uma retração de 2,1% na comparação mensal, e de 35,5% em relação a março de 2015. “O elevado custo do crédito, o alto nível de endividamento e o aumento do desemprego são os principais motivadores da deterioração na intenção de compras a prazo”, explica Juliana Serapio.

 

Impactado pela alta taxa de juros, o item Momento para Duráveis apresentou queda de 2,2% na comparação mensal. Em relação ao mesmo período de 2015, o componente recuou 46,2%. A maior parte das famílias, 72,1%, considera o momento atual desfavorável para a aquisição de duráveis.

A previsão da Divisão Econômica da CNC é que o volume de vendas do varejo apresente retração de 4,2% em 2016.

Empregos  

Os únicos dois componentes do índice que ficaram acima da zona de indiferença, de 100 pontos, foram os relativos ao emprego. Ainda assim, o Emprego Atual, com 105,7 pontos, registrou queda de 0,6% em relação ao mês anterior. Na comparação anual, a retração foi de 16,3%. O percentual de famílias que se sente mais segura em relação ao emprego é de 30,7%, ante 31,1% em fevereiro de 2016. Já a Perspectiva Profissional, com 103 pontos, caiu 0,2% em relação ao mês passado, e 15,7% na comparação com março de 2015.  

   

A análise, os gráficos e a série histórica da pesquisa seguem anexos ou 

podem ser acessados aqui.

Fecomércio-PE participa de audiência pública sobre PL que prevê bicicletários no comércio

 

 

audiencia3

A Fecomércio-PE participou, na manhã desta terça-feira (15/03), de audiência pública sobre alteração da Lei nº 14.740/2012, que trata da criação de estacionamentos de bicicletas em órgãos públicos e em empresas privadas, na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). O assessor jurídico da Fecomércio-PE, José Almeida de Queiroz, compôs a mesa de debates junto a parlamentares, representantes do segmento de shoppings e dos ciclistas.

 

O projeto que modifica a lei estabelece que os bicicletários sejam dispostos em locais onde circulem mais de cem pessoas, incluindo estabelecimentos comerciais, terminais de ônibus e de metrô, entre outros. A alteração prevê ainda que o local exclusivo para bicicletas deverá ter ao menos 5% da área do estacionamento reservado, com equipamentos seguros e adequados à conservação da bicicleta.

 

José Queiroz de Almeida ponderou alguns aspectos da proposta com o objetivo de somar ao projeto e adequar a realidade e as necessidades tanto dos ciclistas quanto dos empresários. “O projeto trata de um assunto de grande importância para as grandes cidades, que é a mobilidade urbana. A Fecomércio-PE se preocupa bastante com esse aspecto. O entendimento do segmento do comércio de Pernambuco é que a disponibilização das vagas deve ser vista sob a ótica de um serviço adicional, já que o próprio Supremo Tribunal Federal tem o entendimento que nenhum estabelecimento é obrigado a destinar vagas para qualquer tipo de transporte. Propomos ainda que seja levado em consideração não o tamanho do espaço destinado ao estacionamento, mas sim o número de vagas deste estacionamento para delimitar quantas vagas poderão ser ofertadas para bicicletas”, explicou.

 

O deputado Lucas Ramos, responsável pela proposta da alteração de lei, ressaltou a importância da audiência pública para o Projeto de Lei. “Fico muito satisfeito em ver um projeto como este ter a contribuição de várias mãos, cada um com suas sugestões, que irão agregar. Agradeço ao assessor Jurídico da Fecomércio-PE, José Almeida de Queiroz, pelas ponderações pertinentes e aos demais por fazer do diálogo uma ferramenta para o benefício de todos”, disse. Após essa etapa, o deputado Lucas Ramos vai fazer as alterações propostas e apresentar em outra sessão para deliberação dos deputados, nas respectivas comissões.

 

Josias Albuquerque recebe homenagem do dono do Quiosque de Coco mais antigo de Boa Viagem

1_josiash

 

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae em Pernambuco e do Sistema Fecomércio-PE, Josias Silva de Albuquerque, foi o grande homenageado durante as comemorações dos 48 anos de atuação do mais antigo barraqueiro de coco na orla da praia de Boa Viagem, no Recife. O senhor Tomé Ferreira de Lima, mais conhecido como Zezinho do Coco, pelos frequentadores da praia, explicou que a decisão de prestar uma homenagem a Josias Albuquerque foi uma forma de agradecer a instituição o apoio dado para a melhoria do trabalho dos barraqueiros.


“Na avenida Boa Viagem só se vendia água de coco. Com o apoio do Sebrae conseguimos fazer uma pesquisa que nos garantiu dados precisos para negociar com a prefeitura do Recife a diversificação dos quiosques da orla. Hoje, o trabalho que vem sendo desenvolvido pelos comerciantes do calçadão é fruto da parceria e do empenho dos profissionais do Sebrae”, afirmou Zezinho do Coco. Durante a homenagem, realizada na noite de sábado (12), no calçadão da praia ao lado da barraca de nº 22, foi entregue ao professor Josias Albuquerque uma placa em agradecimento pelo trabalho do Sebrae-PE junto aos barraqueiros.


Para Josias Silva de Albuquerque não é restrita a ele, mas sim a todos as pessoas que trabalham na instituição. “Fico emocionado em receber esse reconhecimento em nome de todos os membros do Sebrae-PE por tudo que a instituição faz em prol dos micro e pequenos empresários do Estado. O Zezinho do Coco se tornou um grande empreendedor, junto com outros barraqueiros da orla, em virtude do apoio e da orientação que teve por parte do Sebrae-PE”, ressaltou o professor Josias Albuquerque.

 

 

CNC divulga amanhã resultados de MARÇO da ICF

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulga amanhã, 16 de março, os resultados de março da Intenção de Consumo das Famílias (ICF). A partir das 10 horas, a assessora Econômica da Confederação, Juliana Serapio, estará disponível para atender os jornalistas. Análise e gráficos serão enviados por e-mail, e a pesquisa também será publicada em www.cnc.org.br.

 

Sobre a ICF  

A pesquisa Intenção de Consumo das Famílias é um indicador antecedente que tem como objetivo antecipar o potencial das vendas do comércio. O indicador mede com precisão a avaliação que os consumidores fazem dos aspectos importantes da situação de vida de suas famílias, tais como capacidade de consumo atual e de curto prazo, nível de renda doméstico, condições de crédito, segurança no emprego e qualidade de consumo, presente e futuro.

 

Fonte: CNC

Prefeitura do Recife cede área à Faculdade Senac Pernambuco

0GJ

 

O local será urbanizado e abrigará espaço de convivência para os alunos da instituição.

 

O prefeito do Recife, Geraldo Júlio, assinou, na tarde desta segunda-feira (14,) o Projeto de Lei de Cessão de Direito Real de Uso do terreno localizado na Rua Afonso Pena, 550, e parte do terreno da Rua dos Palmares, 519, ambos em Santo Amaro. A área, que totaliza 2.239,88m², será reurbanizada e utilizada como espaço de convivência do novo prédio da Faculdade Senac Pernambuco. A cessão será por 25 anos, podendo ser prorrogada por igual período. O gestor municipal foi recebido pelo presidente do Sistema Fecomércio/Senac/Sesc, Josias Albuquerque, durante almoço no salão de eventos do Senac, com a presença de empresários do comércio e diretores do Sistema Fecomércio/Senac/Sesc.

 

Em fase avançada de construção, o novo prédio da Faculdade Senac Pernambuco contará com 22 pavimentos, que irão comportar 62 ambientes pedagógicos, dezenas de ambientes administrativos, auditório e 375 vagas de veículos. Somente na obra, que tem previsão de conclusão em 2017, estão sendo investidos mais de R$ 40 milhões, dos quais 76,54% são provenientes do Departamento Nacional do Senac.

 

"O investimento que o Sistema Fecomércio está fazendo na construção da nova sede da Faculdade Senac Pernambuco e no terreno que está sendo doado pela Prefeitura do Recife é muito alto. Por isso, hoje é um dia de muita alegria para a gente. O prefeito tem se mostrado nesses três anos à frente da prefeitura um grande amigo das nossas instituições. Vamos inaugurar o espaço, que será uma área de convivência, junto com a nova sede da faculdade. Esse é o nosso compromisso, fruto da parceria com a prefeitura", afirmou Josias Albuquerque, presidente do Sistema Fecomércio/Senac/Sesc-PE.

 

De acordo com o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, a ação demonstra a integração entre a Prefeitura do Recife e o Sistema Fecomércio-PE. "Estamos muito felizes hoje com a bela parceria firmada entre a Prefeitura do Recife e o Sistema Fecomércio para a construção de um espaço de convivência para a nova sede da Faculdade Senac Pernambuco. Estar cedendo este terreno é fundamental para nós. É um gesto de integração e colaboração com as ações e os projetos das entidades que fazem parte do Sistema Fecomércio, Senac e Sesc. A gente precisa de líderes como Josias em todos os segmentos empresariais. O comércio tem tido prioridade para a gente justamente por esse espírito de liderança e de empreendedorismo de Josias", disse Geraldo Júlio.

 

 

Para garantir uma proposta pedagógica alinhada às necessidades do Estado, um comitê formado por consultores e equipe do Senac está se reunindo, desde janeiro. O grupo é formado por Carlos Calado, coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade de Pernambuco (UPE); Mozart Neves Ramos, diretor de Articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna, e Tânia Bacelar, sócia diretora da Ceplan Consultoria. Pela equipe da Faculdade Senac, estão a diretora-geral, Terezinha Ferraz, a diretora Acadêmica, Polyana Moreno, e a gerente de Planejamento, Janaisa Sobral. Representando o Senac, compõem o comitê a diretora regional, Valéria Peregrino Fernandes, e a diretora de Desenvolvimento Educacional, Djaira Leitão.

 

O grupo vai desenvolver, durante o ano de 2016, o projeto pedagógico, para que, em 2017, sejam tomadas as providências, como equipar os laboratórios e contratar pessoal. O trabalho será norteado na análise do cenário político e econômico do Brasil e de Pernambuco.

 

 

Lições do e-commerce norte-americano

Fonte: Shutter Stock

*Leonardo Frisso é COO da Pagar.me, solução digital voltada aos empreendedores virtuais do país, atuando como infraestrutura de pagamentos

COO da Pagar.me mostra o que o comércio eletrônico nacional pode aprender com o mercado norte-americano

No primeiro semestre de 2015 o e-commerce brasileiro registrou R$ 41,3 bilhões de faturamento, ultrapassando a marca de 100 milhões de pedidos realizados, o que representa um crescimento nominal de 15,3% em relação a 2014 segundo a E-bit. O desempenho foi obtido, principalmente, pela incorporação de tendências observadas em grandes centros, como os Estados Unidos, e já coloca o país na décima posição entre os maiores mercados do setor, segundo o eMarketer. Entretanto, ainda estamos distantes dos norte-americanos: apenas no ano passado, o faturamento das lojas virtuais de lá foi de mais de US$ 305 bilhões. Confira as lições já aprendidas e as que ainda precisamos absorver para evoluir mais:

Diversidade de pagamentos – quem tem um comércio eletrônico descobriu que não pode ficar refém de um único meio de pagamento. Por mais que estimativas mostram que o cartão de crédito seja utilizado por cerca de 80% dos consumidores, é importante oferecer outros modelos, como o boleto bancário (modalidade tipicamente brasileira).

Experiência do usuário – o usuário precisa se sentir feliz ao comprar em uma loja virtual e isso inclui desde o atendimento até a forma como ele vai efetuar o pagamento. Aliás, uma das lições mais importantes está neste último ponto: quanto mais a empresa facilita a conclusão do pedido, mais chance de fidelizar o usuário.

Mobile – as vendas por dispositivos móveis são uma realidade no e-commerce brasileiro, correspondendo a 10,1% das transações em 2015. Plataformas e sites precisam se adequar a este modelo e atender este novo tipo de consumidor.

Três lições que ainda precisam ser aprendidas

Omnichannel – os lojistas virtuais brasileiros ainda não sabem lidar com o caráter multicanal dos consumidores. O usuário agora pode pesquisar no e-commerce e comprar na loja física – ou vice-versa. O empreendimento precisa estar preparado e marcar território em todos os canais que o público-alvo visita.

Integração on e off-line – o e-commerce não vai acabar com o varejo físico. Pelo contrário, a união entre online e off-line é imprescindível para aumentar as vendas justamente por oferecer algo a mais para as pessoas. Aliás, influencia até mesmo no sistema de pagamentos, pois o cliente pode querer comprar no site e pagar na loja física, por exemplo.

Conversão – o grande desafio atual para o nosso comércio eletrônico. As lojas virtuais norte-americanas possuem um índice de conversão em torno de 3%, praticamente o dobro do registrado por aqui, de acordo com a Forrester. Oferecer promoções e um sistema de pagamentos eficiente e que não trava é o primeiro passo para aumentar esse número.

Fonte: Portal no Varejo

Os desafios da Inovação

Shutterstock

Por Flávio Barros - presidente da Consinco

Como é possível pensar em inovação diante de tantas exigências dos clientes e do negócio?

Em mercados competitivos, sobretudo em segmentos onde atuam grandes players, a inovação é um dos principais fatores de sucesso e da garantia de perpetuidade das empresas. Inovar é um modo de pensar, de agir diferente, de romper padrões. É uma necessidade. No varejo, não é diferente. No entanto, como é possível pensar em inovação diante das exigências dos clientes, das demandas diárias do negócio e das pressões de custos?

De maneira tangível, a cultura da inovação numa empresa pode ser trabalhada a partir da motivação dos colaboradores para refletirem sobre seus processos e apresentarem soluções. Pode-se, por exemplo, criar um banco de ideias e um comitê de avaliação multissetorial. Uma das missões do comitê é analisar as sugestões dos colaboradores e tomar a decisão pela solução a ser implementada. Dentre suas importantes tarefas, também se destaca a função de examinar o impacto da inovação de maneira mais ampla e, ainda, e não menos importante, premiar os autores das ideias. Embora este exemplo se aplique em processos de inovação considerados mais simples, os ganhos podem ser enormes para as companhias.

Outra fonte de inovação, que tem se transformado numa notável saída estratégica para as organizações, é o investimento em start-ups, iniciativa para fomentar e transformar uma ideia inovadora em negócio. Nesse contexto, muitos projetos têm sido beneficiados pelas aceleradoras de startups, criadas com o propósito de apoiar o empreendedor no desenvolvimento de sua ideia até que sua empresa cresça e atinja porte para ser apresentada ao mercado e a potenciais investidores. Na prática, as aceleradoras ajudam empresas de potencial de negócio escalável a crescer de maneira mais rápida, manter-se no mercado e, claro, alcançar lucro.

O investimento em uma aceleradora é considerado alto risco. Porém, pode ser uma grande oportunidade para as empresas acompanhar de perto as iniciativas inovadoras e, assim, investir em algumas delas após a fase de aceleração. O custo pode ser significativamente menor em relação aos investimentos necessários para tocar novos projetos internamente.

O Corporate Venture (CV), nome dado à iniciativa de companhias que financiam projetos empreendedores, é uma tendência mundial e tem catapultado empresas inovadoras. Com crescimento rápido, esses projetos ensinam às CVs que inovar exige visão de risco e oportunidade, já que nem sempre é possível esperar uma empresa dar certo. A aposta na inovação pode ser o trunfo para o desenvolvimento de grandes ideias – e, principalmente, uma grande chance da empresa não perder a oportunidade de investir num projeto com potencial de sucesso.

Empreendedorismo e inovação são projetos de longo prazo, cheios de desafios e, por momentos, desmotivadores. As novas soluções que unem essas duas ideias refletem nosso tempo e ampliam o horizonte no modo de fazer negócio. Os novos desafios vieram para mudar os mercados. Cabe a nós ousar e apostar para fazermos e sermos a inovação.


Fonte: Portal no Varejo

Traga o cliente de volta em cinco passos

Fonte: Shutter Stock

Especialista mostra cinco atitudes que podem aumentar as chances de vender

Ao contrário da loja física, em que o cliente vai atrás de suas marcas preferidas para realizar as compras, no e-commerce é o lojista quem precisa se esforçar e correr para atrair e, principalmente, fidelizar os consumidores. Essa missão, contudo, não é fácil e precisa de um esforço diário por parte do empresário para que a pessoa se mantenha fiel ao invés de ir atrás do concorrente. Confira cinco dicas que aumentam as chances de atrair e reter os clientes:

1. Pense no mobile – dados da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) indicam que a cada dez compras nas lojas virtuais do país, três são provenientes dos dispositivos móveis. O dado reforça a importância do mobile para o ambiente digital, tanto na parte do design quanto na infraestrutura – garantindo, assim, uma melhor experiência ao usuário.

2. Invista em conteúdo– uma boa e verdadeira descrição, fotos que destaquem o produto, ações bem planejadas para as redes sociais e campanhas de e-mail marketing certeiras certamente ajudam o cliente que está indeciso. Atualmente, a pessoa não quer apenas descontos e promoções, mas sim informações completas sobre a loja e o produto que está comprando.

3. Ofereça tratamento VIP – além de ter uma boa experiência, o consumidor quer ser bem tratado e receber vantagens sempre que optar pela loja virtual. Frete grátis, cupons de desconto, vale-presente e até brindes são alguns dos recursos que podem ser utilizados para mostrar à pessoa como ela é especial para o varejo online.

4. Diversifique os pagamentos – o cartão de crédito ainda é o meio de pagamento preferido pelos brasileiros, mas é recomendado oferecer outras formas, ainda mais no e-commerce. Restringir o modo como as pessoas pagam exclui potenciais consumidores. Assim, o ideal é disponibilizar as principais bandeiras de cartões, boleto bancário, débito, entre outras.

5. Capriche no atendimento – seja antes da compra ou após a venda, a loja virtual precisa manter um bom relacionamento com os clientes. Para isso, o SAC deve ser multicanal e eficiente. Esse cuidado mostra respeito e atenção da marca com seus consumidores, o que ajuda o e-commerce a ganhar ainda mais credibilidade no mundo online.

*Eduardo Gimenes é gerente de marketing da Tray, empresa especializada em soluções de e-commerce.

 

Fonte: Portal no Varejo