Economia Comportamento do varejo em 2011 e o que se deve esperar em 2012

Comportamento do varejo em 2011 e o que se deve esperar em 2012

O varejo da Região Metropolitana do Recife cresceu quase 6% em 2011 na comparação com o ano anterior. Este resultado, calculado e divulgado recentemente pela Fecomércio-PE,  não  está longe do que deverá ser anunciado  pelo  IBGE   para o Brasil,  daqui a algumas semanas.


O varejo do Brasil acumulou nos últimos oito anos um aumento de cerca de 85%, definindo um ciclo de crescimento sem precedentes, pelo menos no horizonte de quando se passou a dispor de medidas de crescimento confiáveis.


No caso da RMR, o resultado é ainda superior. Trata-se do oitavo ano seguido de crescimento ininterrupto, formando também o mais duradouro ciclo de expansão já registrado. Entre 2004 e 2011 o crescimento real acumulado na RMR é de quase 97%, cerca de onze pontos percentuais acima da media do Brasil.

Não se pode esquecer que os bons resultados do comercio geram oportunidades de emprego e aumento do rendimento do trabalho.  No caso da RMR o aumento real da massa salarial chegou a 8,5% só em 2011. No atual ciclo de crescimento, o total dos salários pagos pelo comércio cresceu 61,4% entre 2004 e 2011.


Este resultado é influenciado pelo aumento do faturamento mas, em boa parte, é explicado  pelo crescimento do número de empregos, que teve incremento de  mais de 5% entre 2010 e 2011.Quando se considera todo o ciclo de crescimento, o total do emprego aumentou quase 20% entre 2004 e 2011.


Em estudo recente o Setor de Pesquisa do Instituto Fecomercio-PE analisou  as causas do crescimento do varejo muito acima do PIB, tanto no Brasil quanto em Pernambuco, e fez uma previsão detalhada de continuidade do crescimento do varejo acima da renda em 2012.


Segundo o estudo boa parte do desempenho do varejo está associado ao aumento da renda e do emprego, crescimento do salário mínimo, expansão do credito à pessoa física, aumento dos programas sociais e às expectativas positivas dos consumidores.


Todas essas variáveis, em maior ou menor grau, continuarão a puxar o desempenho do varejo em todo o Brasil em 2012, devendo-se esperar para o país um resultado superior a 6%. No caso de Região Metropolitana do Recife a expectativa é de um crescimento entre 6,5 e 7,5%, dando continuidade ao atual ciclo de crescimento.


O curto prazo não é, portanto, motivo de preocupação para o varejo de Pernambuco e do Brasil. As atenções se voltam para a capacidade de serem mantidos no médio e longo prazos os bons resultados dos últimos anos.


Alguns dos fatores que vêm sendo decisivos para o desempenho do varejo, como o aumento do credito, do salário mínimo e dos programas sociais, não poderão continuar indefinidamente. No longo prazo só o aumento da produtividade da mão de obra e da lucratividade das empresas pode garantir um crescimento sustentável.

 

Josias Silva de Albuquerque

Presidente da Fecomércio-PE e Vice Presidente da Confederação Nacional do Comercio de Bens, Serviços e Turismo